Amor é fogo que arde sem se ver

love_prison-wide

Há um tempo atrás, na aula de Literatura Portuguesa, estudávamos sobre Camões. Como ele sofreu a vida inteira e morreu sem um amor, por ter de deixá-la morrer para salvar sua mais famosa obra, Os Lusíadas. E, ironicamente, em todos os seus poemas, ele procura descrever o amor. Mesmo sabendo que o mesmo é indecifrável.

O que é o AMOR? Cada pessoa têm uma definição diferente. Cada pessoa o sente de maneira diferente. Alguns mais intensamente que outros.

É difícil entender e ver que o amor do qual Camões dizia era aquele amor “verdadeiro”. O sentimento que vêm da alma. Que vêm de dentro e te consome por inteiro. É o tipo de sentimento, de dor, que você se deixa consumir sem perceber e quando vê, já está sentindo aquele sentimento impossível de se descrever, aquela dor absurda que queima, mas por algum motivo, você não quer parar de senti-la.

Dizem que só entende de amor, quem já amou. Entende ainda mais, quem já sofreu por um amor. E é verdade. A maioria não ama por medo. Medo de sofrer, de não saber mais ser o mesmo, de não entender o próprio sentimento…

Eu amei. E sofri. Sofri de verdade e nunca desejaria o que eu senti para alguém. Você chora e não sabe o porquê. Seu coração aperta e você não consegue explicar o que está sentindo. Sua cabeça repassa tudo o que foi e não era. Ou o que foi e acabou. E você se desespera, se despedaça por dentro. Não há nada a ser feito. Não existe remédio para uma dor que “não existe”. A única coisa há fazer é esperar. O tempo realmente cura tudo. E felizmente comigo não foi diferente.

“Um não sei quê, que nasce não sei onde,

Vem não sei como e dói não sei porquê.”

Eu tive tempo de pensar. De entender. De ver que o que acabou e nunca foi, acabou sendo a melhor coisa que já havia me acontecido. Eu abri os olhos. Vi a malícia do mundo. Vi que sofrer me ajudou a entender o que eu nunca havia sentido.

Foi só aí que eu consegui entender e dar valor às coisas. Que consegui ver a beleza real do mundo. E foi quando conheci quem conseguiu me mostrar que o que eu tive antes não era amor verdadeiro. Que tudo o que senti antes, tudo o que sofri, foi para hoje ter encontrado-o, perdido no mundo, como eu. Foi o primeiro eu te amo de verdade que eu ouvi. O primeiro que eu senti no meu íntimo. (L)

Então, o que é o amor?

Pra mim, hoje, é conseguir ver metade de você em outra pessoa. É conseguir se entregar de corpo, alma e coração e saber que o outro sente o mesmo. É dormir e acordar pensando nessa pessoa. É sentir seu cheiro quando ela não está por perto. É chorar de saudade. É contar os segundos para se reencontrarem. É entender que seu coração já não está mais com você. É conseguir compreender que o sentimento que sentem vai além do amor carnal, é quase inexplicável, é bonito, é puro. E hoje, eu só sei o que é amor porque encontrei a minha alma gêmea.

“Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor;

É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é o mesmo Amor?”  

– Luís Vaz de Camões

Anúncios

7 comentários sobre “Amor é fogo que arde sem se ver

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s